Home
Últimas Notícias
Empreendedores devem ficar atentos a impostos e regras� PDF Imprimir E-mail
O empreendedorismo é crescente no País. Contudo, especialistas chamam atenção para algumas questões que esses executivos pouco observam antes de abrir seu próprio negócio.
Leia mais...
 
Conheça casos em que o empregado não está com a razão PDF Imprimir E-mail
Intervalo de trabalho de uma hora, vale alimentação e transporte, horas extras, adicional por insalubridade. Todos esses são direitos do trabalhador amplamente conhecidos. Porém, não é raro os empregados procurarem advogados por acreditarem que estes garantias estão sendo violadas. Conheça alguns casos em que o empregado não está com a razão e por quê, de acordo com os advogados trabalhistas Alexandro Serratine da Paixão, Anderson Carvalho de Souza e Guilherme Christian Probst.

Intervalo de trabalho

Faço apenas meia hora de intervalo e, por isso, tenho direito a receber o restante como hora extra.

Sabe-se que a legislação trabalhista especifica que, a partir de seis horas de trabalho, a pausa para repouso e alimentação deve ser de, no mínimo, uma hora. Contudo, a empresa pode pedir ao Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) uma autorização para suprimir este intervalo para que ele, por exemplo, não precise trabalhar aos sábados.

Esta autorização depende de convenção ou acordo coletivo (acerto entre sindicatos) e a empresa deve disponibilizar um refeitório e respeitar o intervalo mínimo de 30 minutos.

Quando há autorização, a empresa não é obrigada a pagar pelo intervalo. Caso contrário, ela deve pagar a jornada excedente referente à hora completa de repouso - e não apenas aos 30 minutos restantes. 

O tema, no entanto, é controverso. Apesar da possibilidade de redução do intervalo, uma análise pontual do caso concreto pela justiça pode condenar a empresa ao pagamento do intervalo pois o Tribunal Superior do Trabalho já restringiu a concessão do intervalo mínimo de descanso.

Horas extras

Trabalho fora da empresa mas faço horas extras e, portanto, tenho direito a receber pela jornada excedente.

Nem sempre. Quem exerce serviço externo (promotores de vendas, serviços de manutenção de telefonia, entregador de panfletos, por exemplo) sem controle de jornada como o registro de ponto não tem o direito a exigir horas extras caso não consiga comprovar as horas excedentes. 

Mas, se houver alguma maneira de o empregador controlar o horário de trabalho de maneira indireta como registrar os roteiros realizados pelo empregado ou qualquer outra forma de fiscalização, é possível exigir o pagamento pelo excedente trabalhado. 

Pessoas que ocupam cargos de gestão da empresa, denominados cargos de confiança, não fazem jus ao recebimento de hora extra, pois possuem uma função diferenciada. Nestes casos, o salário do ocupante de cargo de confiança deve ser superior ao salário efetivo em pelo menos 40%.

Vale-transporte e alimentação

Recebo o vale-alimentação e vale-transporte em dinheiro e, por isso, eles devem ser contabilizados no salário.

Os vales transporte e alimentação são considerados benefícios de caráter indenizatório concedidos pela empresa e, por isso, mesmo que pagos em dinheiro, não são integrados ao salário. Isso significa que ele não pode ser contabilizado como base de cálculo para contribuição previdenciária, FGTS ou 13º.

Para que isso seja válido, a empresa deve guardar o recibo assinado que comprova que aquela quantia se refere ao benefício e não à remuneração.

Insalubridade e periculosidade

Meu trabalho oferece riscos à saúde, logo, tenho direito a receber adicional por insalubridade e/ou periculosidade

Alguns trabalhadores procuram a ajuda dos advogados por acreditar que a sua ocupação lhe dá direito a uma compensação em dinheiro. No entanto, nem sempre isso se concretiza. Para ter direito ao adicional, as atividades e ocupações insalubres e perigosas devem estar especificadas na lei. Também é necessário que seja feita uma perícia no local de trabalho para comprovar a exposição ao risco.

As atividades perigosas são as que implicam contato permanente com inflamáveis ou explosivos em condições de risco acentuado. Já as insalubres são aquelas que expõem os empregados a agentes nocivos à saúde acima dos limites de tolerância previstos nos anexos à Norma Regulamentadora 15 da legislação trabalhista. As ocupações que estiverem fora desses critérios não podem ter a compensação.
 
Fonte: Diário Catarinense 
 
Nova Lei Anticorrupção PDF Imprimir E-mail
Entrou em vigor a chamada "Nova Lei Anticorrupção", Lei nº 12.846/2013, estabelecendo a responsabilização objetiva da pessoa jurídica, no âmbito administrativo e civil, quando constatada a prática de atos de corrupção e ilícitos em licitações e em contratos do poder público federal, estadual ou municipal.
Leia mais...
 
Certificação digital ganha reforço no setor hospitalar PDF Imprimir E-mail
Os certificados digitais - a troca de informações por meio de ambiente virtual, tudo com validade jurídica -, após ganharem força em mercados como o tributário e o jurídico, vêm expandindo seus horizontes. Empresas do setor apostam no mercado hospitalar como a próxima grande fonte de clientes desta tecnologia.
Leia mais...
 
Prefeitura inova sistema e combate corrupção na área tributária PDF Imprimir E-mail
O coração financeiro da Prefeitura de Macapá apresenta resultados positivos com a adoção de medidas de combate à corrupção na área tributária. O novo método aponta um crescimento sensível na arrecadação. Contabilizando apenas a arrecadação com a emissão de notas fiscais avulsas, o comparativo aponta que em 2012 foram arrecadados R$ 15 mil. Já em 2013, com a informatização do sistema e emissão da nota fiscal eletrônica, a arrecadação atingiu R$ 400 mil, e apenas no primeiro semestre de 2014, R$ 390 mil.
Leia mais...
 
Lei Anticorrupção deve afetar planos de pequena empresa PDF Imprimir E-mail
Neste ano, as pequenas empresas terão que optar por investir no próprio negócio ou em compliance, devido à entrada em vigor da chamada Lei Anticorrupção (12.846 de 2013). No primeiro momento, segundo especialistas, esta escolha pode afetar a dinâmica dessas companhias, responsáveis por quase 25% do Produto Interno Bruto (PIB), mesmo em cenário de fraco ritmo econômico, como está agora.
Leia mais...
 
Supersimples agora vai PDF Imprimir E-mail
Um dos itens praticamente consensuais no esforço concentrado do Senado é a nova revisão da Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas
Leia mais...
 
O imposto na nota fiscal pode ser o começo do fim PDF Imprimir E-mail
A transparência tributária tão sonhada pelos brasileiros de bem aos poucos está sendo implantada e deverá ser fiscalizada. Constar na nota fiscal o valor equivalente ao total dos impostos naquela compra é de fundamental importância para que os cidadãos tomem consciência da significativa parcela que vai para o bolso do governo e deveria retornar para população na forma de educação, transporte, segurança etc.
Leia mais...
 
Direito e Contabilidade: Divergências a serem resolvidas PDF Imprimir E-mail
A implantação das normas internacionais de contabilidade após a chegada da 11.638/2007 (nova Lei das S/A), iniciada na década passada no Brasil, tornou evidente a coexistência de duas correntes, uma legalista, outra interessada em demonstrar a natureza econômica dos eventos.
Leia mais...
 
Microempresas que aderirem ao DTe mantêm a dispensa de ECF, mesmo usando cartão PDF Imprimir E-mail
Com a publicação do Decreto 3.596-R no Diário Oficial do Estado, as microempresas optantes pelo Simples Nacional e dispensadas do uso de ECF em razão de apresentar faturamento anual inferior a R$ 360 mil e que tenham interesse em utilizar cartão de crédito/débito para o recebimento de suas vendas poderão permanecer dispensadas do equipamento, desde que venham antes a aderir ao Domicílio Tributário Eletrônico (DTe).
Leia mais...
 
« InícioAnterior12345678910PróximoFim »

Página 1 de 95

Destaque